• Cadastro
search
Login
2 votos
143 visitas
Expliquem-me de um jeito simples de entender, pq a dúvida é sincera: por que uma inflação controlada, como diria Keynes, não é benéfica para a economia?
É certo que através da expansão de crédito no governo Lula houve sim um benefício real a diversas famílias, e a economia cresceu.
O problema foi que a expansão de crédito foi demasiada, e isto acabou se tornando uma crise.

Mas, fato é: houve crescimento.
Então, será que uma expansão de crédito controlada não seria benéfica para a economia?

Em termos particulares, vamos supor que você é um mecânico e queira comprar uma maquina planadora de cabeçotes, para atuar, também, com retifica de cabeçotes com óleo incrustado, para evitar eventual fundição no motor.
A máquina, supomos, custa 200mil reais, e você, com os seus ativos e passivos, demoraria um longo tempo para comprá-la.
Aí você vai em um banco tomar um financiamento.
Mesmo pagando os juros mais altos do mundo, com a máquina, você triplica o seu faturamento, o que realmente vale a pena, e te faz enriquecer.
Óbvio que se você não trabalhar com a máquina, vai perder tudo o que tem, por isso, você deve ter prudência.
Ou seja: se você não tivesse esse crédito, não iria expandir os seus negócios.

Não daria para pensar no exemplo do mecânico em sentido macro?
Iniciante 291 pontos

5 Respostas

2 votos
No começo é uma maravilha a expansão de crédito, todo mundo comprando, demanda sobe, investimentos sobem, empregos sobem porque que a demanda aumentou... O problema vem depois... Inflação, Lula fez expansão do crédito, q conta chegou no governo Dilma, lembro d ouvir na rádio inflação de quase 7% no ano durante o primeiro mandato dela... Inflação está gerada pela expansão de crédito e forte demanda devido aos gastos públicos... Até q chegou o momento d retirar parte dos incentivos....desaquecendo a economia, fechando a expansão de crédito bancário, lembro q na época Lula comprava carro sem entrada, época Dilma, chegaram a pedir 30% de entrada e prazo máximo de 42 meses, antes era 99 sem entrada e ficaram mais criteriosos na avaliação... A inadimplência chegou a bater valores recordes, quase tivemos uma quebradeira bancária... Q foi salvo pelo governo.... Panamericano, nesta época foi comprado pelo governo pra salvar o Silvio Santos e o banco, começaram a venda de carteiras podres para caixa e bb pra salvar Itaú, Bradesco, os bancos Grandes... Mas até aí... Os gastos estavam na altura e a arrecadação não acompanhou.... Crise fiscal... E tudo isso q vivemos ..a expansão mesmo controlada, vai gerar sempre estes problema e quando os incentivos são tirados, crise na demanda e queda na arrecadação... Manter os incentivos pra sempre, inflação e aumento de despesas.... Se for um Estados unidos q esse boleto nunca chega....
Iniciante 355 pontos
2 votos
Existe o Keynesianismo Brasileiro Lulopetista que consistiu no crescimento econômico a base do consumo. A população obteve ganhos? SIM, principalmente na época. Então qual o erro? Muito crédito para consumo sem equidade nenhuma de crédito para produção é também nenhuma abertura comercial para compensar a alta emissão de dinheiro. Ou seja chegou um momento onde houve superaquecimento e a inflação chegou forte. Há quem diga que valeu apena, há quem diga que não... Mas o fato é que estamos a 4 anos estagnados por causa daquela época... é normal a recessão, porém o Brasil perdeu 7% de PIB, isso é MUITO.

Você citou um mecânico que compra um bem de produção... Mas o crédito em nosso país foi altamente facilitado pra quem na verdade queria comprar bens de consumo como carros, geladeiras, computadores, celulares etc. As máquinas para elevação da produtividade estavam lá com tarifas caríssimas. Hipoteticamente hoje o mecânico estaria no SPC/SERASA pois o ciclo econômico durou tão pouco tempo que a velocidade do enriquecimento caiu drasticamente na crise o que impossibilitou-o de quitar a máquina.
Iniciante 497 pontos
1 voto
Crédito só com poupança, crédito sem poupança é dinheiro podre e gera inflação e um crescimento artificial na economia, as empresas pensam que as pessoas tem dinheiro, porém era apenas um crédito grande. Ou seja as pessoas não usaram o crédito em ativos para crescer a economia, muitos usaram em passivos, ou seja com dinheiro que não existe, sem lastro nenhum. A economia não cresce o que se espera estagna, tira a capacidade do empresário de enxergar a longo prazo e fode a economia. Logo, vem as demissões e crises. Ou seja, esse é o ciclo comum de crédito adoidado.
Iniciante 457 pontos
1 voto
Inflação é só um assalto em todos os recursos da população. Você trabalha um mês pra receber 200 reais, e ai guarda esses 200 (isso na época do lançamento do real) e agora, devido a inflação esses mesmos 200 que estavam lá guardados não tem poder de compra de nem uns 10% do que era... ou seja, é como se seu 30 dias de serviço tivesse sido roubado e ele te deixou lá só com uns 5 dias de serviço que você tinha.

E crédito nada tem a ver com isso, fornece credito qualquer instituição que esteja disposta a correr o risco de tomar o calote. isso não tem a ver com o governo imprimindo (falsificando) dinheiro igual um retardado.
Iniciante 365 pontos
1 voto
Eu não entendo de economia. Mas tem algo que é evidente. O seu exemplo do dono de oficina mecânica é excelente, porque a lógica da oferta de crédito é essa mesma: vender dinheiro para gerar crescimento que supere muito os juros. Isso no mundo inteiro. Mas o brasileiro faz empréstimo para comprar iPhone e televisão. Por isso os empréstimos petistas estão ligados à inflação - a básica lei da oferta e da procura. Para você ter uma ideia, nos EUA não há parcelamento de cartão de crédito - você gasta em um mês e tem que quitar no outro. Pagar juros por algo que se poderia economizar poucos meses para comprar ou fazer opção por um equivalente mais barato, que caiba no seu salário, é jabuticaba.
Iniciante 190 pontos
...